Sexta-feira
19 de Outubro de 2018 - 
O que determina o nosso sucesso é a capacidade de superação.
“A mais bela função da humanidade é a de administrar a justiça” (Voltaire)
“As leis são sempre úteis aos que possuem e nocivas aos que nada têm” (Jean-Jacques Rousseau)
“Interpretar a lei é revelar o pensamento, que anima as suas palavras” (Clóvis Bevilaqua)

Controle de Processos

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,70 3,70
EURO 4,25 4,25

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Últimas Notícias

DECISÃO: Fato de constar nome em contrato social não significa que a pessoa seja administrador da empresa

Por unanimidade, a 3ª Turma do TRF 1ª Região confirmou sentença que absolveu duas rés da imputação da prática de delito contra a ordem tributária, previsto no art. 1º, I e IV, da Lei 8.137/91, e que julgou extinta a punibilidade contra outro réu em razão da ocorrência da prescrição. A relatora do caso foi a desembargadora federal Mônica Sifuentes. De acordo com o inquérito policial, as rés, em concurso de pessoas, na qualidade de sócias proprietárias e responsáveis por toda a gestão da atividade empresarial e financeira de algumas empresas do ramo alimentício, assim como o réu, proprietário da empresa Comércio de Carnes Vinte e Quatro de Outubro Ltda., reduziram e deixaram de recolher montante devido a título de persos impostos e contribuições. Após analisar os autos, o Juízo sentenciante concluiu pela absolvição das acusadas porque o Ministério Público Federal (MPF), autor da denúncia, não conseguiu provar a participação delas na administração das citadas empresas do ramo alimentício. Inconformado, o órgão ministerial requer a reforma da sentença ao argumento de que as provas constantes dos autos são suficientes para condenar as acusadas. A relatora discordou do MPF. “Adoto os mesmos fundamentos expendidos pelo Juízo de origem para manter a absolvição das apeladas porque não existem provas que afirmem, indubitavelmente, a participação delas no gerenciamento das empresas Comércio de Carnes Concórdia, Comércio de Carnes Tocantins e Comércio de Carnes 24 de Outubro”, disse. A magistrada concluiu ressaltando que “a jurisprudência desta Corte tem decidido que o simples fato de constar o nome de uma pessoa no contrato social de uma determinada empresa não significa que ela seja seu administrador”. Processo nº: 0023636-83.2012.4.01.3500/GO Data da decisão: 14/3/2018 JC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
15/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  1745605
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.