Sexta-feira
19 de Outubro de 2018 - 
O que determina o nosso sucesso é a capacidade de superação.
“A mais bela função da humanidade é a de administrar a justiça” (Voltaire)
“As leis são sempre úteis aos que possuem e nocivas aos que nada têm” (Jean-Jacques Rousseau)
“Interpretar a lei é revelar o pensamento, que anima as suas palavras” (Clóvis Bevilaqua)

Controle de Processos

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,70 3,70
EURO 4,25 4,25

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Últimas Notícias

INSTITUCIONAL: Iniciada a Correição Geral Ordinária na Seção Judiciária de Minas Gerais

Na manhã desta segunda-feira, 14 de maio, ocorreu a cerimônia de abertura oficial dos trabalhos da Correição Geral Ordinária na Seção Judiciária de Minas Gerais – que abrangerá a sede e as 26 subseções judiciárias do estado, até o dia 25 de maio, conforme a Portaria Coger nº 5965744. A mesa de honra do evento foi composta pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, desembargador federal Carlos Eduardo Moreira Alves; pela corregedora regional da Justiça Federal da 1ª Região, desembargadora federal Maria do Carmo Cardoso, e pela diretora do foro da Seção Judiciária de Minas Gerais, juíza federal Simone dos Santos Lemos Fernandes. Participaram da cerimônia os juízes federais em auxílio à Corregedoria Regional Bruno César Bandeira Apolinário, Rodrigo Navarro, Newton Ramos, Adverci de Abreu, Cynthia Lopes além de outros magistrados, diretores de secretaria e servidores das varas federais da seccional mineira. A abertura foi transmitida por videoconferência para as Subseções de Juiz de Fora, Viçosa, Lavras, Ituiutaba, Manhuaçu, Montes Claros, Pouso Alegre, Divinópolis, Paracatu, Teófilo Otoni e São Sebastião do Paraíso. A diretora do foro, Simone Fernandes, abriu a reunião manifestando honra e grande alegria em receber o recém-nomeado presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que demonstra, com sua vinda a Belo Horizonte, a consideração e o carinho que o desembargador que tem por Minas Gerais e por todos da Seção Judiciária de Minas Gerais. A magistrada, ao agradecer à corregedora regional, Maria do Carmo Cardoso, disse que a desembargadora está “superanimada por iniciar os trabalhos em Minas Gerais - iniciativa audaciosa, justamente por ser a SJMG a maior seção judiciária da Primeira Região, e certamente os trabalhos serão bastante complexos, não só nas 35 varas, mas também nas 26 subseções judiciárias”. O presidente Carlos Moreira Alves enfatizou, em sua fala, que “é um prazer muito grande estar em Minas Gerais”. Em breve entrevista à Seção de Comunicação da Seccional (Secos/MG), ele discorreu sobre o significado do evento: “na condição de ex-corregedor, sei muito bem qual é a importância de uma Correição Geral Ordinária, que é exatamente o momento em que se procura saber quais são as dificuldades dos juízes e servidores de uma determinada localidade para que se possa dar a quem tanto é cobrado, em termos de produção, os instrumentos mínimos necessários para que essa produtividade cobrada possa ser realizada”. O presidente também analisou a relevância do fato de a Correição ter sido iniciada em Minas Gerais: “os números dizem, por si sós, da importância deste estado na formação da jurisdição da Primeira Região, e para mim é um privilégio, uma honra e um prazer estar retornando a esta cidade, que eu gosto muito, na condição de presidente do TRF1. Muitas vezes estive aqui em missões que já cumpri junto à Corte na Diretoria da Esmaf, na Corregedoria e, agora, na Presidência”. Para o magistrado, é fundamental a proximidade do Tribunal com as Seções Judiciárias. “Estamos aqui para ver exatamente aquilo que acontece e o que se pensa aqui, porque, como disse nas minhas palavras de posse, e não são palavras vazias de conteúdo, nós temos que pensar em redefinição de estruturas arcaicas, em dificuldades na informática – que são o coração e o pulmão da produtividade - e nós temos que pensar em conjunto, porque ninguém é uma ilha”. O desembargador, em seu discurso, afirmou: “acredito que temos que trabalhar, todos, lado a lado - todos os juízes, de segundo ou de primeiro grau, e servidores que atuam junto ao primeiro ou ao segundo graus, porque, na verdade, a Justiça é formada por todos nós - e ela tem que ser pensada não em face de nós, mas daqueles que são destinatários de nossos serviços: os jurisdicionados. Isso é o que precisamos pensar: o que nós podemos fazer, juntos, para que eles recebam a jurisdição a que eles têm direito e, mais do que isso, a jurisdição que merecem, com qualidade e quantidade”. A nova face da Correição – Avessa à ideia de que a Correição se faz apenas apontando erros, a corregedora regional, Maria do Carmo Cardoso, destacou, em sua fala de abertura dos trabalhos em Minas Gerais, a disponibilidade para ouvir os magistrados e suas necessidades e dificuldades e para incorporar boas práticas adotadas pelas varas federais. Ela falou que desde que assumiu a Corregedoria Regional decidiu que a Seccional mineira seria a primeira do cronograma de Correições. “Sempre entendi que Minas Gerais, por seu espaço territorial e sua complexidade, é um laboratório para qualquer corregedor. Ao sair daqui, eu posso fazer correição em qualquer outro lugar” – ressaltou a magistrada. A proposta da nova corregedora regional passa pelo diálogo com os juízes. “Quero que eles possam me dizer o que é necessário e o que podemos fazer para melhorar. Parceria e gestão - é o que eu quero fazer. E estou fazendo este laboratório, aqui com Minas, justamente porque eu conheço os juízes daqui, sei como é a atuação deles, as necessidades que passam aqui são grandes, e os juízes sempre têm uma forma de conseguir encontrar soluções. Estas experiências eu vou tirar como exemplos positivos para outras seções judiciárias”. A desembargadora explicou que gostaria muito de acompanhar as correições, mas que, em virtude dos limites orçamentários, optou por fazer visitas pontuais às seções e subseções judiciárias da Primeira Região – “sempre que possível, de carro, porque é mais barato”, ressaltou. Ela destacou a importância de aproximar a Seção Judiciária de Minas Gerais do Tribunal: “por isso a felicidade quando o presidente disse que viria me acompanhar: eu achei ótimo, e também trouxemos o pessoal da TI para que eles deem respostas aos juízes sobre as dificuldades que estão tendo com o sistema. Isto é o Tribunal prestando contas à Seção Judiciária – o que, para mim, é importante”. Segundo a desembargadora federal, as inovações a serem implementadas são várias no sentido de não só melhorar a atividade jurisdicional como também a própria vida do juiz, para tentar dar tranquilidade e melhores condições de trabalho aos magistrados. Ela lembrou que hoje os juízes trabalham sob pressão, em condições insalubres, e que há também servidores em processo de depressão. “Isso tudo passa pela Corregedoria; eu estou puxando para mim esses problemas para tentar dar as soluções. Não podemos exigir produtividade se não dermos condições”. A corregedora apresentou, ao longo da abertura dos trabalhos, temas como o atendimento ao princípio da economicidade nas correições com a proposta de realizá-las em dois anos; a implantação de melhorias dos sistemas informatizados a partir do trabalho conjunto com a Presidência e com a TI; a revisão das normas da Coger para adequá-las às normas do CNJ e do CJF e o incentivo aos movimentos de conciliação e implantação dos núcleos de conciliação judicial. A magistrada também trouxe como assunto de sua apresentação o aperfeiçoamento do modelo atual de vitaliciamento dos magistrados, propondo a “formação de formadores” – não de maneira acadêmica, como já se conhece, mas baseada na preparação dos juízes federais que atuariam como “coachs” dos vitaliciandos, proporcionando a estes não apenas o conhecimento técnico como também os aspectos humanos, éticos e filosóficos obtidos na experiência da magistratura federal. Reunião com juízes federais – No início da tarde, o presidente do TRF1, a corregedora regional e a diretora do foro se reuniram com os juízes federais da SJMG para tratarem de assuntos relacionados ao exercício da magistratura e às condições de trabalho. Durante a reunião, o novo diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação (Secin/TRF1), Lucio Melre da Silva, apresentou o novo Plano de TI e as perspectivas para o biênio da nova gestão do TRF1. Fonte: Secos/SJMG Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
16/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  1745643
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.